Copinha: Goiás elimina o Grêmio com participação de haitiano

Atual campeão da Taça Libertadores da América e finalista do Mundial de Clubes da Fifa contra o Real Madrid, o Grêmio foi eliminado ontem da Copa São Paulo de Futebol Junior. O algoz do tricolor gaúcho na Copinha foi o Goiás, do jovem volante haitiano Jacko, que venceu por 1×0 e vai enfrentar a Portuguesa nas oitavas de final da competição.

Jacques Saul Metellus nasceu no Haiti e treinou na Academia Pérolas Negras em Bon Repos, nos arredores de Porto Príncipe, até se mudar para Paty do Alferes junto com a equipe que disputou a Copa São Paulo de 2016. Ele se destacou jogando pelo Pérolas na edição de 2017 da Copinha e chamou a atenção do Goías, sendo contratado pelo clube logo após o torneio junto com o atacante haitiano Waby.

Jacko vem sendo peça importante do Goiás na atual edição da Copinha, entrando sempre no segundo tempo e participando bem das partidas. Ontem ele entrou pouco depois do gol de Vinicius, que aproveitou falha da defesa gremista após lançamento do goleiro Enzo, e foi peça importante para segurar o resultado nos minutos finais do confronto.

A trajetória de Jacko, do Haiti até as oitavas de final da Copinha atuando por um grande do futebol brasileiro, é prova de que atletas refugiados são uma fonte preciosa de talento e podem chegar longe quando encontram condições propícias para o seu desenvolvimento profissional. Dar uma chance a esses jovens é a razão de ser do Pérolas Negras, que quer ser um time mundial de refugiados para que histórias como a de Jacko se tornem comuns.

Pérolas Negras contrata refugiado venezuelano para a equipe sub-20

O Pérolas Negras chega ao fim de 2017 mais perto do sonho de se tornar um time mundial de refugiados.

Além dos títulos da Série C do Rio de Janeiro, que promove a equipe à terceira divisão estadual, e dos esforços para expandir o projeto para o Oriente Médio, movimento que a diretoria espera concretizar em 2018, o clube acaba de contratar o venezuelano Juan Andrés Rodriguez Collado, de 18 anos, que pode jogar de lateral-direito e volante e vai ficar por duas temporadas disputando competições pelo sub-20 dos Pérolas. Ele vai morar e estudar com os companheiros de time em Paty do Alferes, cidade no sul do Estado do Rio que abriga a sede do clube..

O jovem já era atleta na Venezuela e jogou na Seleção sub-15 e nas categorias de base do Carabobo FC, clube da primeira divisão do país vizinho. Há um ano, desde quando chegou ao Rio, Juan busca uma oportunidade em algum time enquanto mantém rotina de treinos no Aterro do Flamengo.

“Sempre pensei no Brasil como elite mundial do futebol. Tem muita gente boa de bola aqui. Eu senti a diferença quando cheguei, dava para ver que eu cansava muito antes dos brasileiros. Mas eu acredito em mim e agora vou me preparar e dar o melhor pelo Pérolas Negras”, diz Juan.

Refugiados

Até a contratação de Juan o Pérolas Negras era composto por brasileiros e refugiados haitianos, e a chegada do venezuelano mostra que o clube está aberto para todos na condição de time formador com foco no aspecto social. Com a grave crise atravessada pela Venezuela, muitos habitantes do país vêm buscando melhores condições de vida no Brasil. Foi o caso de Juan e sua família, como explica o pai do atleta:

“Nós saímos da Venezuela por motivos políticos, inclusive ameaças de morte. Fiquei impressionado com os acontecimentos recentes no meu país, com a morte de mais de cem jovens em protestos. Graças a Deus conseguimos nos estabelecer aqui no Brasil, porque poderia ser meu filho, ele estaria nas ruas com os amigos protestando”, diz José.

Para começar a disputar o Campeonato Carioca com atletas haitianos o Pérolas Negras conseguiu uma mudança no regulamento que estipulava limites à participação de estrangeiros na competição. O clube ganhou um processo junto à Federação de Futebol do Rio com um pedido para que os refugiados não fossem considerados estrangeiros.

“Se para a legislação trabalhista o refugiado é como se fosse um brasileiro e não precisa de visto especial para trabalhar no país, por que não fazer o mesmo com o esporte, que é um dos mais importantes meios de integração social? Esse foi um dos nossos argumentos’’, explica Luciana Lopes, advogada do Pérolas Negras e diretora do Instituto Brasileiro de Direito Desportivo. “Refugiado é diferente de imigrante, refugiados não saíram do país porque querem, para tentar uma vida melhor. Refugiados foram obrigados a sair do país deles sob pena de perder a própria vida, porque não tinham opção”.

O Pérolas Negras abraçou a missão de ajudar atletas refugiados a mostrar seu valor para o mundo. Casos como o de Luka Modric, que começou a carreira em situação de refúgio e foi escolhido no sábado o melhor jogador do Mundial de Clubes da Fifa, reforçam a certeza de que os campos e abrigos de refugiados estão repletos de talentos preciosos à espera de uma oportunidade.

A contratação de Juan é o primeiro passo dos Pérolas Negras para além da conexão Brasil-Haiti, e espera-se que sua chegada seja a primeira das muitas que farão do Pérolas Negras um time mundial de refugiados.

Pérolas Negras conquista título e passa mensagem de esperança

O Pérolas Negras é o campeão da Série C do Campeonato Carioca em 2017. Já garantido na Série B2 do ano que vem após terminar a fase principal na liderança do seu grupo, o Pérolas segurou o 0x0 contra o Campos ontem no estádio Ferreirão, em Cardoso Moreira, e conquistou o título por haver vencido a primeira partida da decisão pelo placar de 3×0 na última quinta em Paty do Alferes.

Cerca de 120 torcedores dos Pérolas lotaram dois ônibus e atravessaram o estado para ver de perto a conquista. É o segundo título do Pérolas Negras em sua temporada de estreia no Campeonato Carioca, pois o clube já havia se sagrado campeão estadual invicto na categoria Sub-20. A vitória de ontem garantiu a dobradinha e confirmou a inclusão social como a grande vencedora dessa Série C.

Ainda ontem uma bela matéria do site Livesporte destacava as trajetórias de Campos e Pérolas Negras na luta contra o racismo no futebol. É simbólico e inspirador que o Dia da Consciência Negra tenha sido também o dia dos Pérolas comemorarem o primeiro título profissional de sua história.

Confira algumas matérias publicadas sobre a conquista dos Pérolas Negras:

Pérolas Negras segura 0 a 0 com Campos e se consagra campeão da Série C (FutRio)

É campeão! Pérolas Negras empata e faz história na Série C do Carioca (Globo Esporte)

Pérolas Negras celebra título e sonha ser o ‘clube mundial dos refugiados (Lance!)

Título do time principal confirma dobradinha do Pérolas em 2017 (FutRio)

Pérolas Negras é campeão da Série C do Campeonato Carioca (RJTV)

Equipo de haitianos se corona campeón en Brasil (imprensa mexicana)

Pérolas encontram torcida, goleiam o Campos e ficam perto do título

O dia tinha tudo para ser especial. Não apenas o Pérolas Negras disputava uma final logo em seu primeiro torneio oficial, a Série C do Campeonato Carioca de 2017, como pela primeira vez conseguia utilizar a casa que escolheu para a competição, o Estádio do Avelar em Paty do Alferes.

A expectativa era grande e foi atendida com sobras. A torcida compareceu, lotando a arquibancada e a área social do clube, e a equipe correspondeu com bom futebol, vitória por 3×0 sobre o Campos e passo gigantesco para conquistar o título no domingo às 16h em Cardoso Moreira.

Rafael Paty, Iago e Adriano marcaram os gols da vitória que permite ao Pérolas Negras perder por até dois gols de diferença e ainda assim sair campeão do estádio Ferreirão no domingo. Qualquer vitória do Campos por três gols de diferença leva a decisão para os pênaltis.

Jogo cercado de expectativas

As duas equipes, primeiras colocadas de seus grupos na fase principal da Série C, já entraram em campo garantidas na Série B2 de 2018. O Campos terminou como líder do Grupo B e o Pérolas Negras garantiu a liderança do Grupo A ao arrancar um empate contra o Casemiro de Abreu no último domingo.

Na categoria Sub-20 os Pérolas já haviam se sagrado campeões ao vencer as duas partidas da final contra o Itaperuna. No profissional, com o acesso à Série B2 já conquistado pelos dois finalistas, alguém poderia até argumentar que o principal objetivo da temporada já havia sido alcançado pelas equipes.

Mas uma decisão de título é sempre uma decisão de título. E a final entre Pérolas Negras e Campos era também uma estreia e um tira-teima.

Para explicar é preciso voltar no tempo: no dia 1 de outubro o Pérolas Negras finalmente conseguira regularizar o Estádio do Avelar para receber partidas da Série C e, após mandar seus jogos em Volta Redonda, Petrópolis e em dois estádios diferentes de Xerém, ia finalmente estrear sua casa em Paty do Alferes.

A partida dessa data oporia os líderes dos dois grupos, Pérolas Negras e Campos, e a torcida compareceu para apoiar a equipe que ainda não pudera acompanhar de perto. O jogo mais aguardado da fase principal da Série C, no entanto, nunca aconteceu. Um problema com a ambulância da partida acabou decretando o W.O. e a vitória do Campos por 3×0.

O Campos disparou na liderança do Grupo B e o Pérolas foi perseguido de perto pelo 7 de Abril até a última rodada no Grupo A. Conseguiu segurar a liderança, e ontem, um mês e meio depois da primeira visita, voltava a receber o Campos no Estádio do Avelar. Dessa vez para jogar uma final.

Os dois melhores times da competição frente a frente numa decisão. E tem mais: com vários clubes em situação financeira delicada, as últimas rodadas da Série C passaram a registrar muitos casos de W.O., incluindo as duas últimas partidas do Pérolas Negras como mandante – Brasileirinho e Heliópolis não conseguiram cumprir suas obrigações. A final de ontem contra o Campos era, portanto, a primeira partida dos Pérolas em sua casa. A decisão era também uma estreia.

Rafael Paty abre o placar

O Campos era dono da melhor campanha do torneio e começou tentando impor seu estilo. Foi melhor durante os primeiros momentos, mas o Pérolas logo equilibrou as ações e aos 17 minutos fez explodir a torcida: Adriano cobrou escanteio, Jhonathan desviou e Rafael Paty colocou para dentro.

Aos 36 anos, Paty rodou o Brasil como jogador profissional e atuou em Portugal e Coreia do Sul antes de fazer ontem a primeira partida oficial em sua cidade natal. Xodó da torcida por motivos óbvios, correu como um garoto durante 90 minutos sob o sol escaldante. Ao final do jogo não se esforçava para esconder a emoção:

– Tinha tanta coisa passando na minha cabeça hoje que você perde até a noção de espaço, de tempo, de lugar. Jogar Rafael Paty dentro de Paty do Alferes… É um sonho que foi realizado. Minha família, minha esposa, meus amigos, todo mundo aí. É uma coisa inexplicável a felicidade que eu estou sentindo, depois de dezoito anos voltar para jogar dentro da minha cidade.

Todo o elenco dos Pérolas sofreu com o W.O. de 1 de outubro, mas para Rafael Paty o episódio teve um sabor ainda mais amargo:

– Depois de uma estreia frustrada nossa, com W.O., acho que foi o dia mais triste da minha vida… Meus filhos aqui, minha esposa, minha mãe, minhas irmãs. Até hoje a gente fica se remoendo, mas são coisas que só nos motivam mais a trabalhar. A gente sabe a grandeza do projeto.

Paty fala com empolgação do acesso conquistado e da disputa da Série B2 no ano que vem, mas faz questão de dizer que o título está em aberto e que levantar a taça no domingo é fundamental para os Pérolas:

– Novos horizontes estão por vir, caminhos melhores, com essa molecada que a gente tem, o pessoal do Haiti, esses meninos que a gente adotou de verdade e são a base do nosso time. Mas não ganhamos nada. Vamos em busca do título porque o acesso foi bom, mas o título vai ser melhor ainda.

Iago e Adriano ampliam

O gol de Rafael Paty atordoou um pouco a equipe do Campos, que tentava se impor no jogo, e o Pérolas aproveitou o momento para pressionar e tentar ampliar o placar. A blitz deu resultado aos 22 minutos, quando Iago se livrou da marcação e chutou bonito de fora da área para marcar o segundo.

A torcida se levantou quando Tetéu desarmou o adversário já deixando Rafael Paty em condições de marcar. O veterano deu um pique e tanto para ganhar a frente dos zagueiros, sair na cara do gol e tirar do alcance do goleiro, mas a bola resolveu triscar a trave e sair pela linha de fundo em vez de consagrar o camisa 9.

A partir do intervalo o Pérolas Negras diminuiu o ritmo, satisfeito com o resultado, e o Campos não teve fôlego para transformar a posse de bola em chances reais de gol. Parecia que o verão finalmente chegara após um novembro atipicamente frio, e o calor não deu trégua até o final da partida.

Mas nem o calor conseguiu parar o contra-ataque que terminou no terceiro gol dos Pérolas. Richardson arrancou pela esquerda, deixou o marcador para trás e rolou para Adriano concluir – o goleiro ainda tocou na bola mas não conseguiu impedir o tento que deu números finais ao confronto.

Adriano foi o destaque do Pérolas Negras no início da competição, com gols e assistências importantes, mas não marcava desde o jogo de 17 de setembro contra o União de Marechal. Ontem, diante da torcida e numa decisão, não apenas voltou a balançar as redes como infernizou a defesa adversária com dribles e muita velocidade:

– A sensação é a melhor possível. Eu não fazia gol há um tempinho mas vinha sempre fazendo o meu melhor para ajudar a equipe. Hoje graças a Deus consegui jogar bem, com o apoio dos meus companheiros, e para coroar veio o gol. A gente jogar em casa é um diferencial, e estávamos devendo isso ao torcedor.

Global x local

O carinho da população local é uma das grandes conquistas do Pérolas Negras, que quer estreitar relações com o Vale do Café fluminense ao mesmo tempo em que se torna um time mundial de refugiados. O diretor-executivo do Viva Rio, Rubém César Fernandes, acaba de voltar da Jordânia, onde articula para que os Pérolas passem a receber atletas sírios, jordanianos, iraquianos e palestinos além dos haitianos. Ele era mais um a comemorar o estádio lotado:

– A gente está cada vez mais aqui dentro, e isso é muito legal. Em plena quinta-feira e estava cheio, garotada, muita gente jovem. A gente se enraizou, em um ano conseguimos marcar um pertencimento aqui. E aí tem que viajar um pouco na ideia… É pé no chão e os olhos lá no horizonte, é assim que a gente caminha.

O haitiano Elison, lateral direito titular da campanha do acesso, ingressou nos Pérolas Negras no Haiti e veio no ano passado para o Brasil:

– Eu me sinto em casa em Paty. Estou muito feliz e quero agradecer à torcida, a todos. Para mim o time representa uma família. Esse time estava no Haiti comigo e agora eu estou aqui com ele. E vou junto com ele para a Série B.

Pérolas Negras arranca empate e vai jogar Série B2 do Campeonato Carioca

O Pérolas Negras empatou ontem por 1×1 com o Casimiro de Abreu e terminou a fase principal da Série C do Campeonato Carioca como líder do Grupo A, conquistando assim o acesso direto para a Série B2 de 2018. A primeira posição do grupo também classificou a equipe para a final da Série C, que será disputada contra o Campos em partidas na próxima quinta (16) e no próximo domingo (19).

O acesso à Série B2 era o grande objetivo dos Pérolas na temporada e foi muito festejado pela comissão técnica, pelos jogadores brasileiros e haitianos que formam a equipe e por todo o staff. Na última quinta o Pérolas já havia se sagrado campeão estadual invicto da Série C Sub-20 após vencer os dois jogos da decisão contra o Itaperuna.

Na partida de ontem, disputada no Estádio Ubirajara Reis em Casimiro de Abreu, o Pérolas Negras precisava só de um empate e chegou a sair atrás no placar, mas nunca esteve fora da liderança já que o 7 de Abril, que precisava tirar uma diferença de três pontos e cinco gols de saldo para os Pérolas, ficou apenas em empate também por 1×1 contra o Campos.  7 de Abril e Casimiro de Abreu vão disputar mais duas vagas na Série B2 de 2018 contra EC Resende e Tomasinho nas mesmas datas das finais.

O jogo

O primeiro tempo da partida foi de um jogo estudado, com muito respeito entre os adversários e poucas ocasiões de gol. O Pérolas valorizava a posse de bola, administrava a partida e procurava não sofrer riscos.

O zagueiro Gedeil abriu o placar para o Casimiro de Abreu em cabeçada aos 17 minutos do segundo tempo, mas o Pérolas foi para cima em busca do resultado que lhe daria a certeza do acesso e empatou aos 31 em linda cobrança de falta do também zagueiro Marlon.

O zagueirão de 21 anos já havia sido decisivo na vitória sobre o Riostrense no dia 10 de setembro, pela décima rodada, quando manteve os Pérolas na liderança do grupo ao marcar o gol da virada aos 51 minutos do segundo tempo. E ontem também houve drama: a cobrança de falta pegou na trave, quicou após a linha e voltou, chegando a chegar dúvidas no bandeirinha antes do juiz confirmar o gol.

— Tem uma frase que eu me espelho muito nela: fazer algo além do que seu ídolo faz. Eu me espelho muito no Sérgio Ramos (zagueiro do Real Madrid) e sei que ele não bate falta. Então, procurei treinar muito para chegar num momento decisivo como ontem e caprichar pra dar certo. O segredo do sucesso é a prática constante – disse Marlon, que é natural de Ibiporã, no Paraná, e chegou ao Pérolas Negras no ano passado.

Já Elison e Simpson, laterais titulares da equipe, vieram mais de longe. A participação brilhante desses dois atletas haitianos na campanha que levou o Pérolas Negras à Série B2 do Estadual é a prova de que o projeto vem cumprindo sua missão de integrar culturas, valorizar talentos e criar oportunidades.

As finais da Série C acontecem na próxima quinta (16) no Estádio do Avelar, em Paty do Alferes, e no próximo domingo (19) no Ferreirão, em Cardoso Moreira, casa do Campos na Série C. Ambas as partidas acontecem às 16h, terão cobertura em tempo real do globesporte.com e serão transmitidas ao vivo na página do Pérolas Negras no Facebook.

Pérolas Negras é campeão estadual invicto na Série C Sub-20

O Pérolas Negras venceu o Itaperuna por 2×0 ontem no Estádio do Avelar, em Paty do Alferes, e se sagrou campeão invicto da Série C Sub-20 do Campeonato Carioca. No domingo (12) a equipe profissional dos Pérolas precisa apenas de um empate contra o Casimiro de Abreu para avançar à final e garantir o acesso direto do clube à Série B de 2018.

Os meninos do Sub-20 haviam vencido o Itaperuna por 1×0 no jogo de ida, disputado na semana passada em Miracema,  e só precisavam empatar em Paty para conquistar o caneco, mas o haitiano Shelmy marcou duas vezes, uma em cada tempo, e fez a festa da torcida que compareceu ao Estádio do Avelar para acompanhar a partida.

A equipe terminou a competição invicta, com seis vitórias e um empate, e foi dona do melhor ataque, marcando oito gols assim como o Itaboraí Profute, e da melhor defesa, que foi vazada apenas uma vez em sete partidas. O elenco Sub-20 campeão carioca da Série C conta com cinco haitianos e todos foram titulares ao longo da campanha.

O diretor-executivo do Viva Rio, Rubem César Fernandes, estava presente e entregou o troféu e as medalhas aos campeões junto com o delegado da partida. Foi o primeiro título oficial conquistado pelo Pérolas Negras, que foi fundado em 2011 no Haiti, se estabeleceu em Paty do Alferes em 2016 e fez nessa Série C a sua estreia em competições profissionais.

Os profissionais, aliás, podem conseguir um feito ainda mais importante no próximo domingo, quando enfrentam o Casimiro de Abreu em Miracema, norte do estado do Rio, e precisam apenas de um empate para conquistar o acesso à Série B do Campeonato Carioca. A partida acontece às 16h e terá transmissão ao vivo na página do Pérolas Negras no Facebook.

Confira a tabela do segundo turno e a classificação da Série C do Campeonato Carioca para ficar por dentro dos resultados e da situação dos Pérolas Negras no torneio.

Pérolas Negras vencem outra e acesso à Série B está muito próximo

Uma partida difícil, contra um adversário ainda lutando por vaga na fase final, em que a vitória colocaria os Pérolas muito perto do acesso direto à Série B do ano que vem. E o resultado veio. Em sua segunda partida seguida jogando no estádio Louzadão, em Mesquita, os Pérolas superaram um primeiro tempo complicado para vencer o Itaboraí Profut por 2×0, mesmo placar de duas semanas antes frente ao Miguel Couto, e ficar a um empate de garantir a primeira colocação do Grupo A.

Isso pois o Pérolas Negras fica com 34 pontos contra 31 do 7 de Abril, segundo colocado, e chegará necessariamente a 37 quando vencer por W.O. o já excluído Heliópolis no próximo domingo. Para garantir o acesso sem nem entrar em campo basta que o 7 de Abril não vença o União de Marechal em Los Larios na mesma data. Em caso de vitória dos vice-líderes o Pérolas ainda assim precisará apenas de um empate fora de casa contra o Casimiro de Abreu no domingo 05/11.

Em caso de derrota contra o Casimiro de Abreu no estádio Ubirajara Reis e duas vitórias do 7 de Abril nas rodadas finais a primeira posição do Grupo A será definida no saldo de gols, critério em que os Pérolas hoje levam vantagem (23 a 19). O primeiro colocado de cada grupo garante vaga na final da Série C e acesso direto à Série B de 2018. Um objetivo que o Pérolas Negras está muito perto de alcançar.

O jogo

Foi uma das partidas mais complicadas da competição para o Pérolas Negras. O Profut começou com muita vontade e sufocou os Pérolas durante a maior parte do primeiro tempo. As ligações diretas funcionavam, os bons atacantes da equipe de Itaboraí levavam perigo e Suellington chegou a acertar a trave de Jefferson em chute de fora da área.

O Itaboraí Profut era superior, mas aos 36 minutos o zagueiro Sargento subiu mais alto do que a defesa adversária após cobrança de escanteio de Richardson para colocar os Pérolas na frente. O gol freou o ímpeto dos mandantes, o Pérolas Negras voltou mais organizado para o segundo tempo e aos 14 minutos brilhou a estrela de Richardson: o destaque do Pérolas se livrou da marcação e acertou o ângulo para marcar um golaço.

A partir daí os Pérolas conseguiram colocar seu plano de jogo em prática e manter o placar até o final da partida. O resultado, muito comemorado, coloca a equipe a um passo de conquistar o acesso direto para a Série B. Jogadores e comissão técnica, no entanto, sabem que nada está definido:

– Ainda não ganhamos nada, mas certamente estamos mais perto do que ontem. Vamos manter a humildade e os pés no chão, ainda não subimos. Falta mais uma batalha na última rodada, fora de casa, contra um adversário ainda invicto na competição – afirmou o comandante Rafael Novaes.

Confira a tabela do segundo turno e a classificação da Série C do Campeonato Carioca para ficar por dentro dos resultados e próximos compromissos dos Pérolas Negras.

Pérolas Negras vence fora de casa e fica mais perto da Série B

Os Pérolas superaram o sol escaldante de Mesquita e a grande atuação do goleiro Thiego para vencer o Miguel Couto por 2×0 no Estádio Niélsen Louzada, o Louzadão, e seguir firme na caminhada rumo à Série B do Campeonato Carioca. Richardson e Rafael Paty marcaram os gols que deixam o Pérolas a duas vitórias de praticamente garantir o tão sonhado acesso. A partida foi realizada no último domingo (8) às 15h.

O próximo compromisso do Pérolas Negras será de novo no Estádio Louzadão, dessa vez contra o Itaboraí Profute. O jogo acontece apenas no dia 22/10 já que no próximo domingo os Pérolas vencerão por W.O. o já excluído Brasileirinho. A equipe segue na liderança isolada do Grupo A, agora com 28 pontos, e chegará portanto a 31 na rodada do fim de semana. O primeiro colocado de cada grupo garante acesso direto à Série B.

O jogo

Os Pérolas já começaram a partida pressionando o Miguel Couto em busca de abrir o placar, e logo aos 6 minutos o goleiro Thiego fez sua primeira grande defesa em cabeçada do zagueiro Sargento após cobrança de escanteio. A próxima chance foi com Rafael Paty, que aproveitou sobra na área, chutou forte e viu a bola passar perto do travessão. Aos 30 o camisa 9 parou em Thiego, que usou as pernas para fazer a defesa.

O Miguel Couto praticamente só se defendeu ao longo de um primeiro tempo em que o Pérolas Negras tomou a iniciativa e não deu espaços para o adversário, mas a má pontaria e a grande atuação do goleiro Thiego garantiram o 0x0 até o intervalo.

Thiego parou finalização de Iago no primeiro minuto do segundo tempo, mas acabou levando azar em um lance capital aos 6. Richardson tabelou com Adriano, saiu na cara do gol e parou mais uma vez no goleiro, mas a bola voltou nele e foi morrer na rede.

Após sofrer o gol o Miguel Couto conseguiu finalmente criar uma chance com Hudson, mas os Pérolas seguiram dominando e perderam grande oportunidade com Rafael Paty de cabeça aos 13 minutos. Mas nos acréscimos o artilheiro receberia um presente de Cassiano, que driblou o goleiro antes de rolar para Paty dar números finais ao jogo.

Agora os Pérolas têm duas semanas de descanso e preparação para o confronto decisivo contra o Itaboraí, onde uma vitória deixará a equipe muito próxima da B.

Confira a tabela do segundo turno e a classificação da Campeonato Carioca para ficar por dentro dos resultados e próximos compromissos dos Pérolas Negras.

PÉROLAS NEGRAS GOLEIA DE NOVO E SE ISOLA NA LIDERANÇA

Em sua terceira partida no segundo turno da Série C do Campeonato Carioca, o Pérolas Negras venceu o EC Resende por 3×0 e manteve a liderança isolada do Grupo A, posição que garante acesso direto à Série B em 2018. O time vinha de outra goleada, 5×0 sobre o União de Marechal. Já o 7 de Abril, concorrente no alto da tabela, perdeu para o Casimiro de Abreu, no domingo, e se mantém com 22 pontos, três a menos que os 25 conquistados pelo Pérolas.

O primeiro tempo da partida desta segunda foi disputado, com as duas equipes chegando com perigo pelas laterais, apesar de não conseguirem marcar. No segundo tempo o Pérolas voltou com Bernardo no lugar de Teteo e, aos 10 minutos, o técnico Rafael Novaes substituiu Rizzi por Iago. As mudanças surtiram efeito e o time passou a dominar o meio campo.

O domínio logo deu origem ao primeiro gol, saído dos pés de Richardson, que recebeu uma linda assistência de Iago, invadiu a área e tocou na saída do goleiro. Logo em seguida foi a vez de Cassiano, que tinha acabado de entrar, ampliar o placar depois de roubar a bola, driblar o zagueiro resendense e chutar forte no canto. Um golaço. No finzinho, Iago ainda fez bela jogada individual e chutou para o gol. O goleiro deu rebote e o artilheiro da equipe Rafael Paty fechou o placar: 3×0. Além do trio que entrou muito bem no segundo tempo, um dos destaques da partida foi o volante Sargento, que comandou a defesa com belos desarmes.

O Pérolas segue invicto neste segundo turno! No próximo domingo o desafio é contra o Campos, líder do Grupo B. Confira a tabela do segundo turno e a classificação da Série C do Campeonato Carioca para ficar por dentro dos resultados e dos próximos jogos.

A Academia Pérolas Negras foi criada pelo Viva Rio no Haiti para gerar impacto social. Saiba mais aqui.

 

Ataque funciona, Pérolas Negras goleia e segue na ponta

Jogando pela primeira vez como mandante no Estádio de Los Larios, em Xerém, o Pérolas Negras aproveitou o bom estado do gramado para impor sua qualidade técnica e golear o União de Marechal por 5×0 na manhã de ontem. O resultado mantém os Pérolas na liderança do Grupo A da Série C do Campeonato Carioca, posição que garante acesso direto à Série B do ano que vem.

Depois de muitas reclamações quanto ao gramado do Estádio Marrentão, onde o Pérolas jogou sua última partida como mandante no dia 7 de setembro e acabou cedendo o empate para o Teresópolis, a mudança de casa surtiu o efeito desejado. O Pérolas controlou a partida e todo o trio de atacantes deixou sua marca: Rafael Paty (2), Richardson (2) e Adriano construíram a goleada.

Mais tarde, no mesmo campo, o 7 de Abril venceu o Miguel Couto por 3×1 e chegou aos mesmos 22 pontos dos Pérolas no Grupo A (perde no saldo de gols). Com o terceiro colocado Tomazinho 7 pontos atrás, com 15, parece que a disputa pelo acesso direto ficará mesmo entre o Pérolas Negras e a equipe de Angra dos Reis, que, vale lembrar, impôs aos Pérolas sua única derrota na competição.

O jogo

O Pérolas comandou a partida desde o início sob o sol escaldante de Xerém e abriu o placar logo aos 10 minutos com o artilheiro Rafael Paty completando cruzamento rasteiro que veio da direita. O União de Marechal não conseguia finalizar e os Pérolas desperdiçaram boas chances com Iago, Marlon e Rafael Paty antes do fim do primeiro tempo.

Paty pode perder um, mas dificilmente dois, e ampliou o placar tocando na saída do goleiro após corte da zaga logo aos 3 minutos da etapa final. O segundo gol deu ainda mais tranquilidade ao Pérolas Negras, que tocava a bola sem ser incomodado pelo União de Marechal e chegou ao terceiro em ótima finalização de Richardson aos 26 minutos.

O quarto gol foi o mais bonito. Após escanteio para o União de Marechal, o goleiro Jefferson repôs a bola com Elison no meio de campo, e o lateral direito haitiano encaixou linda enfiada de bola para Richardson sair na cara do gol e marcar mais um aos 29 minutos. Aos 43 o zagueiro Sargento desviou cobrançaa de escanteio e Adriano completou para fechar o placar.

Grande atuação dos Pérolas Negras, que fizeram valer o investimento em um gramado melhor e se impuseram técnica, tática e fisicamente sobre o adversário durante toda a partida e de forma avassaladora no segundo tempo. O próximo compromisso é como visitante, na próxima segunda (25), contra o Resende/Guarani às 15h no Raulino de Oliveira em Volta Redonda.

Confira a tabela do segundo turno e a classificação da Série C do Campeonato Carioca para ficar por dentro dos resultados e próximos compromissos dos Pérolas Negras.